Verona: um dia na terra de Romeu e Julieta

Olá!

Conforme prometido, hoje falaremos da segunda parada da viagem, na cidade de Verona. Eterno lar de Romeu e Julieta, a cidade tem mais de dois milênios de história e é hoje um dos centros econômicos do Vêneto, no norte da Itália.

Partindo de Padova, onde estávamos hospedados, pegamos o trem rumo à Verona. Compramos o bilhete para a linha regional, com parada na estação Verona Porta Nuova, a € 7,10 cada. Havia outra estação de Verona no percurso, a Verona Porta Vescovo, então a parada ideal dependerá de quais pontos da cidade você pretenderá visitar.

Já na praça perto da estação, há uma igreja bem bonita. O tempo é consagrado ao “Cuore Immacolato di Maria“, ou seja, ao Coração Imaculado de Maria. Recebe o título de tempio votivo devido às razões de sua construção. Em 8 de setembro de 1943, como informa o site da paróquia de lá, o Bispo Girolamo Cardinale fez o voto de construção da igreja. A decisão se deu diante dos ataques bélicos de 1943, que prometiam um fim trágico para a localidade.  Foi finalizada em 8 de dezembro de 1952, exatos dois anos após o início das obras.

Parrocchia di Cuore Immacolato di Maria - Verona
Parrocchia di Cuore Immacolato di Maria – Verona

Saindo dali, passamos pela Porta Nuova, que dá nome à estação de trem próxima. Conforme este site, ela fica ao sul da cidade e foi construída na primeira metade do século XVI, idealizada pelo arquiteto Michele Sanmicheli. Este tipo de construção é comum em algumas cidades italianas, representando parte dos antigos muros de proteção destes locais.

Porta Nuova - Verona

Saindo dali, seguimos em direção à Tumba de Julieta, que também abriga um museu de afrescos muito interessante. Para ser sincero, a parte da tumba de Julieta é, basicamente, uma sala subterrânea com um túmulo de pedra sem sua tampa. Como não se acredita que Julieta realmente tenha existido, é apenas uma construção antiga utilizada para o turismo. É um local pequeno e sem muito o que se apreciar.

Museo degli Affreschi ‘G.B. Cavalcaselle’, localizado na área da Tomba di Giulietta, por sua vez, é um espetáculo! Ele abriga blocos de afrescos recuperados de diversas construções antigas da cidade, além de alguns quadros e estátuas. Há inclusive uma sala, apelidada de “Sala delle Muse”, em que se encontra reconstruída um cômodo de um palácio antigo de Verona. Os afrescos foram colocados em sua disposição original, gerando uma imersão muito interessante.

Obra no Museo degli Affreschi GB Cavalcaselle - Verona
Um dos afrescos presentes no Museo degli Affreschi ‘G.B. Cavalcaselle’ – Verona

O ingresso para a tumba e o museu, que pode ser adquirido na hora, custa € 7,00, já incluindo visita no mesmo dia (até por volta das 18h) à Casa de Julieta.

Sofres os afrescos, vale citar que Verona era muito conhecida no passado por este tipo de arte, seja no interior ou na fachada das construções. Ainda hoje, pode-se constatar diversos prédios com a frente coberta de afrescos antigos. Como citado nesta página, esta era uma das características que mais impactava os viajantes que ali chegavam.

Depois de passar um bom tempo admirando aquelas obras, fizemos uma pausa para almoço no Orlandi Caffè (para a localização, confira aqui). Por lá, comi tagliatelle alla bolognese e minha irmã provou uma lasagna al ragu. As mesas da área externa são agradáveis e os preços seguem um padrão razoável.

Perto dali, um conjunto de atrações de tirar o chapéu! A Piazza Brà, uma praça super simpática; a Arena di Verona, que é uma espécie de “coliseu” menor e mais conservado; e os “portoni della Brà“, dois arcos com um relógio no topo. Os portões faziam parte de antigos muros de Verona. A entrada para a arena custa € 10,00. A vista do topo da sua arquibancada é bem bacana!

Arena di Verona
Parte da Arena di Verona

A arena foi construída na primeira metade do século I d.C. e é utilizada ainda hoje para diversos espetáculos. No dia da nossa visita, havia uma estrutura montada em seu interior para apresentações do Zucchero, cantor italiano.

Saindo da região da praça, compramos um gelato na Gelateria Savoia (para localização, conferir o site deles) e seguimos até o Castelvecchio, uma construção lindíssima de 1354, que abriga um museu em seu interior. Andamos apenas pelos jardins do castelo, não conferindo as atrações pagas. Junto desta construção, a Ponte Scaligero (ou Ponte Castelvecchio), além de linda, oferece uma vista privilegiada da cidade e do Rio Ádige. Se quiser saber mais informações sobre o castelo e a ponte, basta conferir aqui e aqui.

Ponte Scaligero - Verona
Ponte Scaligero – Verona

Pé no caminho novamente, fomos conferir a Piazza delle Erbe. Logo no início, a Colonna di San Marco, coluna que sustenta uma estátua do leão alado de São Marcos. A figura representando o evangelista está presente em diversos monumentos e símbolos italianos, principalmente na região do Vêneto, que carrega o símbolo inclusive em sua bandeira. Além da coluna, na praça está a fonte da Madonna Verona e alguns outros monumentos. Em volta da praça, registramos ainda o Palazzo Maffei, o prédio Domus Mercatorum, a Torre dei Lamberti e a Torre del Gardello. Mais informações sobre estes locais podem ser conferidos nesta página da Província de Verona.

Saindo dali, escolhemos seguir por baixo do Arco della Costa, que sustenta um osso que dizem ser da costela de uma baleia. Seguindo em frente, passamos pela Piazza dei Signori e chegamos ao conjunto de túmulos Arche Scaligere, que abriga os restos mortais dos Scaligeri, uma importante família da história de Verona. Ao lado dos túmulos, a Chiesa di Santa Maria Antica. É possível passear entre os túmulos, pagando um valor que não verifiquei.

Saindo dali, passamos pela Via Arche Scaligere. É ali que fica a Casa di Romeo. A casa do famoso rapaz da história de Shakespeare era, na verdade, de Cagnolo Nogarola. Provavelmente por causa do turismo, porém, ficou conhecida como a residência de Romeu e é fotografada por muitos visitantes. Como é uma propriedade privada, não é permitida a entrada.

Fotos feitas, fomos conferir a Casa di Giulietta. O local, que originalmente foi a casa dos Dal Cappello, é, segundo informações desta página, do século XVIII. Como muitas das coisas que remetem à história, esta casa foi atribuída a Julieta, mas não há qualquer prova da existência da tal moça. A varanda, na qual Julieta teria se debruçado tantas vezes para falar com Romeu, por exemplo, nem fazia parte da construção original.

Casa di Giulietta - Verona
Casa di Giulietta – Verona

Na área aberta em frente à casa, que se acessa através de um arco que dá acesso à rua, é possível conferir uma estátua em bronze de Julieta. Os seios e os braços da estátua já estão mais claros, pois há uma tradição de que tocar no seio esquerdo da estátua traria sorte na vida e no amor. Toquei o seio da estátua e continuo ileso, mas conto depois se realmente funciona. 😛

Nesta mesma área, há algumas lojas com chaveiros, cadeados (para prender em grades do local e trazer sorte aos casis) e suvenires dos mais variados. Ao entrar na casa, entregamos o ingresso “combo” da Tumba de Julieta, que foi trocado por outro, específico da casa. Subimos as escadas e conferimos uma série de móveis antigos, itens de decoração, peças de vestuário de época e várias pinturas e desenhos inspirados na personagem. Há até mesmo um equipamento para se enviar mensagens para Julieta. Há a possibilidade de comprar o ingresso da casa separadamente, mas custa mais caro.

Já quase no fim do dia, passamos em duas igrejas, a Basilica di Sant’Anastasia e Chiesa di San Pietro Martire. Seguindo a procissão, na Piazza Duomo, pudemos conferir o Duomo di Verona. É na praça em frente ao duomo que fizemos uma paradinha no Caffè e Parole, onde comemos polpette di carne bem gostosas. O local é charmoso, apesar de pequeno. Para chegar ao local, basta conferir aqui.

Duomo di Verona
Duomo di Verona

Depois desta última parada, seguimos em direção à estação do início do dia e voltamos para Padova.

Considerações finais

A cidade de Verona é lindíssima e repleta de construções históricas e ruas super charmosas. Apesar disso, o turismo mais forte parece ser mesmo em cima da história de Romeu e Julieta. Acho uma pena, já que a cidade tem muito mais a oferecer.

Por conta do limite de tempo e também pelo foco da viagem, não entramos nas igrejas (nem conferimos se havia acesso facilitado) e não fomos a outros museus além daquele de afrescos. Se você tiver este foco, com certeza pode reservar pelo menos mais um dia para a cidade.

Para não tornar este post muito extenso, resumimos os detalhes do percurso e citamos apenas aquilo que era principal no passeio. Vale a pena prestar atenção no caminho entre uma atração e outra. Verona respira história e sempre reserva boas surpresas.

Publicado por

Adriano Donato Couto

Ítalo-brasileiro nascido em Minas Gerais, morando atualmente na região de Lisboa. Desenvolvedor de software. Italo-brasiliano nato a Minas Gerais. Abita attualmente a Lisbona (Portogallo). Sviluppatore di software. Italian-Brazilian that was born in Minas Gerais (Brazil). Living in Lisbon currently. Software developer.

Um comentário sobre “Verona: um dia na terra de Romeu e Julieta”

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s