Cidadania italiana: o que é preciso saber primeiro?

Cidadania Italiana. Photo by Francesca Tirico on Unsplash
Cidadania Italiana. Photo by Francesca Tirico on Unsplash.

Olá!

Hoje eu vou falar sobre um assunto que tem despertado o interesse de muita gente: cidadania italiana. Mais especificamente, a cidadania italiana para aqueles que são descendentes de italianos que emigraram do bel paese.

Seja pela oportunidade de reconectar-se com suas raízes, pela possibilidade de morar em qualquer país-membro da União Europeia ou algum outro motivo, o número de brasileiros que pesquisam suas origens e vão atrás do seu reconhecimento como cidadãos italianos só aumenta a cada ano.

Há divergências sobre o número exato de imigrantes de origem italiana que chegaram ao Brasil, mas geralmente fala-se em algo por volta de um milhão e meio de pessoas, que chegaram aqui principalmente entre o fim do século XIX e o início do século XX. Atualmente, apesar de ser um cálculo complexo, prevê-se que haja um contingente de cerca de 20 milhões de descendentes no país.

Mas afinal de contas, como é feito o processo de reconhecimento? Quem tem direito?

Para falar do assunto com um pouco mais de propriedade, eu resolvi consultar um amigo que já trabalha com isso há alguns anos: o Giovanni Durazzo*, da NOI Cidadania Italiana. Residente no Sul da Itália, ele é cidadão reconhecido desde criança e hoje trabalha auxiliando quem quer passar pelo mesmo processo.

Sem mais delongas, vamos aos fatos (rs):

Quem é você?

Giovanni Durazzo, 32 anos, nasci em São Paulo e sou sócio da NOI Cidadania Italiana.

 

Em linhas gerais, quem tem direito a ser reconhecido cidadão italiano?

Se todos na sua linha do italiano até você forem homens, você tem direito.

Caso tenha uma mulher no meio dessa linha de transição, o filho ou filha dessa primeira mulher deve ter nascido após 1948.

Não existe limite de gerações.

 

Quais são os principais problemas que podem dificultar ou inviabilizar o processo?

A dificuldade em encontrar todos os documentos, possíveis retificações necessárias na documentação, burocracia, recursos financeiros para realizar tudo e tempo exigido até conseguir emitir a documentação como cidadão italiano.

 

Quais as modalidades para o reconhecimento?

Via consulados italianos, fixando residência na Itália ou por via judicial (no caso materno, se o filho ou filha da primeira mulher na linha sucessória tiver nascido antes de 1948).

 

O número de processos realizados tem aumentado a cada ano. Neste cenário, abriu-se um mercado cada vez maior para assessores, que acompanham o requerente e auxiliam em todo o processo. Infelizmente, porém, o número de esquemas criminosos e golpes também aumentou em um número alarmante. Quais as principais dicas pra fugir de profissionais de índole duvidosa?

Solicitar o Partita IVA ( equivalente ao CNPJ aqui na Itália) da empresa; solicitar um contrato de prestação de serviço do seu processo; pesquisar o histórico da empresa (depoimentos, contatos, Reclame Aqui, …); e, caso a empresa prometa prazos, exigir que isto conste por escrito no seu contrato.

 

E você, como foi reconhecido?

Fui reconhecido diretamente no consulado de SP, quando tinha 3 anos de idade.

 

Todo cidadão italiano tem direitos e deveres, mesmo aqueles que residem no exterior. Quais os principais pontos que você gostaria de levantar?

Deveres: manter sempre atualizado o AIRE **, ser fiel à república e à sua Constituição.

Direitos: votar (não é obrigatório), acesso ao sistema educacional e de saúde públicos como cidadão italiano.

 

Caso a pessoa opte por fazer o processo na Itália, é sempre recomendável fazer orçamentos com diversas assessorias, esclarecer todas as dúvidas e escolher aquele que lhe deixar mais confiante. Há quanto tempo a NOI Cidadania Italiana atua? Quantas pessoas vocês já assessoraram? Como entrar em contato com vocês?

Atuamos desde 2015. Nesse período, foram mais de 80 processos concluídos e outros em andamento.

Nosso email é noi.cidadaniaitaliana@gmail.com e nossa página no Facebook é www.facebook.com/noicidadania.

 

Bom, por hoje é só! Farei outras postagens em breve sobre este assunto. Do que mais você gostaria que eu falasse?

Arrivederci! 🙂

 

* Esta postagem não é publicidade, não se trata de conteúdo patrocinado, tampouco indicação de assessoria. O Giovanni é meu amigo e sei que ele trabalha com isso há alguns anos. Como é alguém que conhece sobre o assunto, pedi a ele que viesse dar umas dicas pra gente. De qualquer forma, vale colocá-lo entre as assessorias candidatas caso você vá fazer o processo na Itália. 😉

** AIRE é um registro que todo comune (município) italiano possui, com cidadãos deste local que residem no exterior, mantendo o endereço completo. A Itália faz questão de ter o controle de onde seus cidadãos residem, seja dentro ou fora da “bota”.

Publicado por

Adriano Donato Couto

Ítalo-brasileiro nascido em Minas Gerais, morando atualmente na região de Lisboa. Desenvolvedor de software. Italo-brasiliano nato a Minas Gerais. Abita attualmente a Lisbona (Portogallo). Sviluppatore di software. Italian-Brazilian that was born in Minas Gerais (Brazil). Living in Lisbon currently. Software developer.

2 comentários em “Cidadania italiana: o que é preciso saber primeiro?”

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s