Bandeira de Portugal - Castelo de São Jorge. Foto de Adriano Donato Couto.

Vale a pena morar em Portugal?

Olá!

Hoje eu gostaria de apresentar um pouco da minha visão sobre Portugal, unindo-a com aquilo que já ouvi de vários amigos ou vi na imprensa.

Primeiramente, é bom ressaltar alguns pontos positivos sobre o país que podem te fazer pensar em vir para cá:

  • Portugal é considerado um dos países mais pacíficos da Europa, além de ser um dos poucos com risco muito menor de ocorrência de ataques terroristas.
  • Ao contrário de alguns países do norte da Europa, que tendem a ser reservados e difíceis para se construir laços afetivos, aqui é um país de povo bastante aberto e hospitaleiro.
  • Baixíssimo índice de violência, especialmente se você pensar em crimes que envolvam algum tipo de arma. Ando pelas ruas de madrugada sem medo algum!
  • Educação pública com boa qualidade, desde os primeiros anos da infância até o ensino superior.
  • Saúde com boa qualidade, especialmente para atendimentos de emergência e para o atendimento de medicina geral.
  • Direitos trabalhistas interessantes, com pagamento de “subsídio de natal” e “subsídio de férias”, resultando em 14 salários anuais. Além disso, proteção em caso de desemprego, etc.
  • Liberdade religiosa e respeito a diferentes hábitos de vestimenta. Ao contrário de países como a França, que tendem a restringir o uso do véu islâmico (hijab) ou burkini (traje de banho que cobre a maior parte do corpo), em Portugal se vê esse tipo de vestimenta sem o maior problema.
  • Política mais liberal em relação às drogas, criminalizando o comércio, mas não o consumo. Quem é dependente é visto como alguém que precisa de apoio psicológico e do sistema de saúde, não de punição.
  • Possui muitas praias, áreas montanhosas e até mesmo neve, a poucas horas de distância.
  • A infraestrutura de transporte entre as várias regiões do país é bem completa, sendo bem servida por trens e ônibus.
  • As autoestradas são de excelente qualidade, embora o preço do combustível e dos pedágios seja relativamente alto.
  • Reúne um grande acervo monumental, geográfico e documental, inclusive sobre o período de colonização do Brasil.
Praça do Comércio, Lisboa. Foto de Adriano Donato Couto.
Praça do Comércio, Lisboa. Foto de Adriano Donato Couto.

 

Obviamente, como todo lugar no mundo, há alguns pontos fracos que você deve levar em conta:

  • O salário mínimo é um dos menores (se não for o menor) da Europa, sendo de 580 euros em 2018. Fonte: PORDATA.
  • Há, como no Brasil, ocorrências de racismo. Muitos não perceberão, pois se trata daquele racismo velado, que exclui o cidadão de alguns contextos.
  • É uma sociedade um pouco machista. Mulheres tendem a ter maior dificuldade no mercado de trabalho, precisando se esforçar muito mais para terem valor similar ao de seus pares do sexo masculino.
  • Se você mora em cidades das regiões metropolitanas do Porto e de Lisboa, sofrerá com uma bolha imobiliária absurda. Com a “moda” recente acerca de Portugal e o consequente aumento do turismo (com AirBnB e similares), o preço de aluguel nas áreas mais procuradas subiu vertiginosamente.
  • Alguns serviços públicos que atendem imigrantes (não exclusivamente) estão sobrecarregados. Segurança Social, Serviço de Estrangeiros e Fronteiras e outros órgãos públicos só conseguem agendar o serviço para vários meses depois.
  • Há uma burocracia bem alta, muitas vezes sendo agravada pela falta de padronização nos serviços. Um documento exigido pelo atendente “A” na Segurança Social, por exemplo, não seria pedido se sua senha tivesse sido chamada por outra pessoa.
  • Desconfiança/preconceito em relação aos brasileiros, especialmente para procedimentos que envolvam dinheiro, como aluguel de imóveis. Pior ainda se for uma mulher brasileira a participar da operação.

Em resumo, estes seriam os principais pontos a destacar. E você, teria algo para acrescentar?

É importante ressaltar que não quero em hipótese alguma desvalorizar Portugal. O país é maravilhoso, mas também apresenta problemas, como qualquer outro lugar no mundo.

O principal a ser levado em conta se você decidir se mudar para cá é:

  • Possuo renda para os primeiros meses?
  • Tenho “plano B” para alguns dos principais imprevistos?
  • Possuo toda a documentação exigida para o meu caso? Jamais venha sem os documentos exigidos para quem vai permanecer aqui!
  • Portugal atende as minhas prioridades, de acordo com meu perfil? Pense nas necessidades de seu grupo familiar (quem te acompanhará).
  • Já tenho ideia de onde morar? Sempre planeje o local com antecedência, nem que seja um quarto para os primeiros meses ou semanas.

E é isso! Sentiu falta de algum item? Conte pra gente!

Nas próximas semanas, abordarei alguns aspectos sobre a educação, o sistema de trabalho e o serviço de saúde portugueses.

Arrivederci! 🙂

Publicado por

Adriano Donato Couto

Ítalo-brasileiro nascido em Minas Gerais, morando atualmente na região de Lisboa. Desenvolvedor de software. Italo-brasiliano nato a Minas Gerais. Abita attualmente a Lisbona (Portogallo). Sviluppatore di software. Italian-Brazilian that was born in Minas Gerais (Brazil). Living in Lisbon currently. Software developer.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s