Porto: um roteiro completo para dois dias

Vista de Porto e Vila Nova de Gaia pelo Mosteiro da Serra do Pilar. Foto por Adriano Donato Couto.

Com informações úteis sobre a cidade do Porto à mão, hoje vou trazer para vocês um roteiro que segui para dois dias na cidade.

Saindo do hotel, nossa primeira parada foi a Praça da Liberdade. Apesar de ser um local simples, é nela que se encontra um monumento equestre com D. Pedro IV (no Brasil, D. Pedro I).

Saindo dali, nosso próximo destino foi a Igreja dos Clérigos, com a Torre dos Clérigos em seus anexos. A igreja é belíssima e o exterior da torre também é de tirar o fôlego. A igreja data de 1749; a torre, 1763. O acesso à igreja é gratuito. Para a torre, paga-se 5 euros (gratuito para crianças com até 10 anos), com acesso também ao museu.

Seguindo em diante, passamos pela linda Igreja de Santo António dos Congregados, com suas paredes repletas de arte em azulejo, com desenhos em azul de ricos detalhes. A igreja atual teve sua construção concluída em 1703.

Outro templo repleto de azulejos lindíssimos em sua fachada é a Capela das Almas (ou Capela de Santa Catarina). A construção data do século XVIII, mas foi no início do século XX que o ceramista Eduardo Leite realizou o trabalho em azulejos, que retrata partes da história de Santa Catarina.

O nosso próximo ponto de visita seria o Mercado do Bolhão, que foi construído entre 1914 e 1917, mas ele está em reformas. Para substituí-lo, foi organizada provisoriamente uma estrutura no Shopping Center La Vie Porto Baixa, o Mercado Temporário do Bolhão.

Perto dali, o Via Catarina Shopping é bem legal. Seu interior simula um vilarejo, com fachadas de azulejo e outros acabamentos. Muito simpático! Também vale como um ponto de parada caso você queira comer alguma coisa.

Em percurso rumo ao rio Douro, chegamos na Catedral da Sé do Porto. Sua construção se deu a partir do início do século XII. Ainda hoje, alguns traços originais desta época permanecem. O acesso completo (catedral e claustro) custa 3 euros.

Seguindo a rota de templos, chegamos à Igreja de Santa Clara. Originalmente construída a partir de 1416, posteriormente teve seu interior todo revestido de talhas de madeira com trabalhos de cobertura em ouro.

Após a última igreja da sequência, seguimos por ruelas estreitas e íngremes em direção ao rio Douro, o queridinho da cidade. Entre suas atrações, a Ponte Luiz I. Aliás, a ponte está no Centro Histórico do Porto, classificado em 1996 pela Unesco como Patrimônio Mundial.

A estrutura da ponte, toda em metal, foi construída a partir de 1881, com inauguração da primeira parte em 1886. Foi planejada por Théophile Seyrig, um seguidor de Gustave Eiffel. Considerada um dos cartões postais da cidade, vale a visita, tanto pela beira do rio quando pelo seu topo.

Saindo dali, decidimos utilizar o Funicular dos Guindais, uma espécie de bondinho que te leva da Ribeira à Batalha. A vista é muito bacana, mas o passeio é bem curto.

O funicular foi construído em 1891, mas ficou posteriormente desativado por mais de um século. Atualmente, funciona sob o comando da empresa Metro do Porto. O custo do bilhete para adultos é de 2,50 €. Para crianças entre 4 e 12 anos, paga-se 1,25 €.

Atravessando a ponte Luiz I em direção à Vila Nova de Gaia, subimos uma colina e chegamos ao Mosteiro da Serra do Pilar. Infelizmente, o local estava fechado para visitação no dia, então tivemos acesso somente a algumas áreas. A vista dali, porém, é sensacional.

Descendo a colina e atravessando a Avenida da República, chegamos ao Jardim do Morro, outro ponto espetacular para observar o rio Douro, a cidade do porto e o por do sol.

Descemos as vielas a partir dali, seguindo em direção à Avenida Diogo Leite, local repleto de ambientes com degustação de vinhos dos produtores locais.

Outra opção de trajeto entre o Jardim do Morro e as margens do rio (no lado de Vila Nova de Gaia) é o Teleférico de Vila Nova de Gaia, que te leva até a Avenida Ramos Pinto, já quase no fim do percurso com degustações de vinho. O bilhete do teleférico custa 6 euros (sentido único) ou 9 euros (ida e volta).

Na região das degustações, acabamos por preferir um local menor. Era já fim de tarde e decidimos parar no Gourmet da Emilia, na Avenida Ramos Pinto, quase em frente ao Pizza Hut. Por lá, paga-se por uma degustação de cinco vinhos diferentes (em taças pequenas) a preços razoáveis. Há ainda uma série de petiscos e outras bebidas. Vale a pena!

Degustação de vinhos em Vila Nova de Gaia. Foto por Adriano Donato Couto.
Degustação de vinhos em Vila Nova de Gaia. Foto por Adriano Donato Couto.

Na volta ao hotel, decidimos passar pela Estação Porto São Bento, com seu interior todo trabalhado em azulejos. Já havíamos passado por lá quando chegamos vindos de Lisboa, mas queríamos olhar os detalhes com calma sob a luz do dia.

Depois de um descanso merecido e já nos preparando para o último dia na cidade, fizemos a visita a dois locais apenas.

O primeiro foi a Livraria Lello, famosa estabelecimento livreiro na cidade, que possui muito de sua fama devido à sua conexão com J.K. Rowling e a saga Harry Potter (para detalhes sobre isso, vá ao final do texto). O local atual foi inaugurado em 1906, com projeto do engenheiro Francisco Xavier Esteves.

Escada da Livraria Lello. Às esquerda, foto da vista superior; à direita, a face inferior da escada. Fotos de Adriano Donato Couto.
Escada da Livraria Lello. Às esquerda, foto da vista superior; à direita, a face inferior da escada. Fotos de Adriano Donato Couto.

Um detalhe interessante da construção, aliás, fica por conta da madeira talhada por toda parte, que na maioria dos casos é na verdade um trabalho em gesso que imita madeira.

Desde 2015, o local passou a cobrar uma taxa de entrada de 5 euros. Por mais que isso possa parecer estranho para alguns, a razão faz todo sentido.

Com o fluxo cada vez maior de turistas, a livraria vivia lotada, mas as vendas de livros eram insuficientes para manter o estabelecimento aberto e garantir o restauro do local. Pensando nisso, estabeleceu-se a taxa, que pode ser descontada na compra de um livro. Para se ter uma ideia, depois da instituição do valor, a venda de livros triplicou em três meses.

É possível comprar o bilhete online, no site da Livraria Lello, mas também presencialmente. Se decidir por comprar no local, vá até os Armazéns do Castelo, na mesma rua, poucos metros à frente. É lá também que ficam os armários para mochilas e bolsas, já que não é permitido entrar com estes objetos na livraria.

Se você pretende visitar o lugar, aliás, recomendo ir no início da manhã. As filas são enormes durante boa parte do dia.

Para finalizar a viagem ao Porto, passamos pelos Jardins do Palácio de Cristal. Além do palácio, que honestamente não gostei tanto, o parque é bem agradável. Por ficar em uma área muito elevada, dá para ver boa parte da cidade.

 

Passeio das seis pontes

Um dos passeios mais famosos na cidade são aqueles pelo rio Douro, seja a bordo de barcos similares às antigas embarcações que transportavam vinho ou até mesmo opções radicais.

Para a ocasião, comprei ingressos na Tomaz do Douro, que oferece (como várias outras empresas) o Cruzeiro das Seis Pontes. Para adultos, o custo é de 15 euros. Dá para comprar online com antecedência. Você compra para o dia, sem horário definido.

No passeio, há narrações em inglês, português e outras línguas, tocadas em sequência. Além das pontes, conta-se um pouco sobre as construções que se vê nas margens do rio Douro. A duração total é de cerca de 50 minutos.

A partida dos barcos que oferecem passeios pelo Douro se dá na região próxima da Ribeira.

Passeio das seis pontes pelo rio Douro. Foto de Adriano Donato Couto.
Passeio das seis pontes pelo rio Douro. Foto de Adriano Donato Couto.

 

Livraria Lello, Harry Potter e J.K. Rowling

Muito do sucesso da Livraria Lello se deve às inspirações que J.K. Rowling, escritora da saga Harry Potter, teria tido no local.

Como a maioria dos fãs sabem, a autora viveu na cidade nos anos 90, período em que  ela dava vida à saga. Na época, ela trabalhava na cidade como professora de inglês.

Segundo dizem, a autora teria utilizado os detalhes de estilo neogótico da livraria como inspiração para Floreios e Borrões, uma livraria onde os alunos de Hogwarts compravam seu material escolar na saga.

 

Conclusão

Porto foi uma experiência apaixonante!

Muito além dos pontos que citei no roteiro de hoje, a atmosfera da cidade é fenomenal.

A atmosfera universitária pelas ruas da cidade, as vielas apertadas em direção ao Douro, as pontes, os estabelecimentos vinícolas e a comida… tudo contribui para uma experiência magnífica!

Outro ponto de destaque são os locais, quase sempre muito simpáticos.

Se você tiver a oportunidade de visitar a cidade no futuro, reserve entre três e quatro dias e visite tudo com calma.

Além dos pontos que citei aqui, tente visitar alguma vinícola da região e outras cidades menores. A região Norte de Portugal é riquíssima em história, arquitetura e experiências.

E por hoje é só…

Arrivederci! 🙂

Anúncios