Oxford: roteiro de um dia + locais usados em Harry Potter

Vista de Oxford a partir da Carfax Tower.

Quando nós brasileiros ouvimos o nome “Oxford”, na maioria das vezes, duas coisas podem vir à mente: universidade e Harry Potter.

Como todo estereótipo e/ou conceito resumido, esta ideia de Oxford não consegue abarcar todas as possibilidades que a cidade cobre.

Recentemente, ao fazer a lista das cidades que gostaria de conhecer este ano, me deparei com esta cidade e resolvi que a nova lista de lugares para visitar começaria por ela.

No texto de hoje, te conto tudo o que encontrei por lá.

Por que Oxford?

O que torna Oxford importante para você é um fator muito particular, mas há grandes chances de que passe por um dos próximos itens:

  • A Universidade de Oxford é a mais antiga universidade entre os países falantes da língua inglesa.
  • A cidade é o local onde a história de Alice no País das Maravilhas (e outros trabalhos relacionados) foi escrita. O autor, Charles Lutwidge Dodgson (que assinou a obra sob o pseudônimo de Lewis Carroll), trabalhou como professor na Universidade de Oxford.
  • Vários locais na cidade, mais especificamente nas dependências das faculdades da Universidade de Oxford, foram utilizados na saga de Harry Potter.
  • Os escritores J. R. R. Tolkien e CS Lewis viveram na cidade e também trabalharam como professores na Universidade de Oxford. Cito eles novamente daqui a pouco.
  • Oxford é muito conhecida como a cidade dos spires, detalhes pontiagudos nos telhados de várias construções.
  • A cidade é muito importante para a história regional, já tendo inclusive servido como local de residência do rei em um período em que houve guerra civil no país.
"Spires" na New College. Um dos muitos exemplos que se tornaram famosos na cidade.
“Spires” na New College. Um dos muitos exemplos que se tornaram famosos na cidade.

O que deve ser priorizado

O que deve ou não ser visitado está relacionado diretamente com o que você prefere conhecer em uma viagem.

Quando eu planejo um itinerário, gosto de conhecer um pouco sobre aquilo que tornou a cidade conhecida no decorrer dos anos, seja pela arquitetura, história, fatos curiosos ou qualquer outro elemento.

Como eu tinha apenas um dia disponível (te explico meu trajeto no fim do texto), decidi priorizar aqueles locais que são bem procurados na cidade.

Na próxima seção, porém, trarei outros pontos que podem ser do seu interesse.

A Bodleian Library foi destaque logo de cara por três locais interessantes que ela engloba: Divinity School, Duke Humfrey’s Library e Radcliffe Camera.

A Divinity School é uma construção super famosa entre os fãs do Harry Potter (HP) por ter sido cenário para a enfermaria em um dos filmes da saga.

Além disso, o prédio é lindo, sua história envolve vários períodos marcantes e eu adorei conhecê-la.

Divinity School, em Oxford. Reconhece a "enfermaria de Hogwarts"?
Divinity School, em Oxford. Reconhece a “enfermaria de Hogwarts”?

Duke Humfrey’s Library foi utilizada em algumas cenas do filme, como quando Harry caminha pelo local vestindo a capa de invisibilidade.

O local foi e é muito importante para a universidade, desde um tempo em que bibliotecas eram muito mais caras para se criar e manter.

Outro ponto muito bonito, mas desta vez sem conexão com o filme do bruxinho, é a Radcliffe Camera. É interessante quando se descobre que ela é a única biblioteca de Oxford que não foi criada pela universidade, mas para a universidade, a mando de John Radcliffe, ex-aluno da instituição que se tornou médico e teve muito sucesso na profissão. Já mais velho, manifestou interesse em construir uma biblioteca e transferi-la posteriormente à universidade.

Exterior da Radcliffe Camera, em Oxford.
Exterior da Radcliffe Camera, em Oxford.

Não são permitidas fotos no interior da Radcliffe Camera ou da Duke Humfrey’s Library.

Para conhecer estes três lugares, adquiri o tour de 90 minutos no site da instituição que administra estes locais. Além dos três pontos citados acima, o passeio inclui a Convocation House (parlamento da universidade) e a Chancellors Court, que servia como local de julgamento para delitos cometidos na instituição. O valor do ingresso (em janeiro de 2020) era de 15 libras (mais 1 libra de taxa).

Enquanto passava pela região da Bodleian Library, aproveitei para observar por alguns minutos a Bridge of Sighs (Ponte dos Suspiros), que muitos acreditam ser inspirada na ponte de mesmo nome em Veneza. A verdade é que ela nunca teve a intenção de ser uma réplica da xará italiana, sendo bem mais parecida com a Ponte Rialto, também em Veneza.

Bridge of Sighs (Ponte dos Suspiros), em Oxford.
Bridge of Sighs (Ponte dos Suspiros), em Oxford.

Saindo do tour, segui para a Alice’s Shop. O local é um charme. É uma loja de lembrancinhas para turistas focada na história de Alice no País das Maravilhas (e outros contos relacionados) e tem itens bem legais, mas o mais interessante é que diz-se que ali ficava a loja favorita de Alice Liddell, filha de Henry Liddell, antigo decano de Christ Church. Foi esta Alice que serviu de inspiração para a personagem Alice nas histórias de Lewis Carroll. A loja, aliás, é retratada na história Alice Através do Espelho.

Alice's Shop - Oxford.
Alice’s Shop – Oxford.

Outro ponto muito interessante foi a Christ Church College. Uma das mais famosas da Universidade de Oxford, esta faculdade abriga locais de extrema importância para a universidade e também alguns pontos bem conhecidos para os seguidores da saga HP.

O ingresso do tour pode ser comprado online ou presencialmente. É importante levar em conta que a compra presencial deve ser feita para visita no momento. Eles não vendem ingressos no local para outro dia, por exemplo.

Passando pela grande porta no início do passeio, o visitante segue direto para as escadarias da Torre Bodley (Bodley Tower), que foram utilizadas nos filmes de Hogwarts. Ao fim da escada, The Hall, o grande salão de refeições desta faculdade e aquele utilizado na montagem do salão de refeições onde Harry e seus amigos passaram vários momentos.

Escadaria da Bodley Tower, na Christh Church College. Alguém aqui conhece um feitiço para remover pessoas da foto? :D
Escadaria da Bodley Tower, na Christh Church College. Alguém aqui conhece um feitiço para remover pessoas da foto? 😀
The Hall na Christ Church College, em Oxford.
The Hall na Christ Church College, em Oxford.

Além destes dois locais, Christ Church College tem a Christ Church Cathedral, uma catedral lindíssima e cheia de história, com elementos que remontam a várias fases da história da cidade e do Reino Unido.

Por estes e outros locais mencionados, vale muito a pena seguir todo o percurso do áudio-guia. O valor da entrada (com este recurso já incluso) era (em janeiro de 2020) de 15 libras.

Mais um lugar entre as minhas prioridades para o dia, em lista que construí com ajuda de pessoas próximas, foi o Pitt Rivers Museum. O prédio é imponente visto de fora, mas o interior é a parte mais interessante. Ao invés de uma sequência incessante de salas, há um grande espaço aberto, repleto de artigos de História Natural, indo de fósseis de dinossauros a animais empalhados. Vale muito a visita! A entrada é gratuita.

O passeio ao “Pitt Rivers” teria sido genial, não é mesmo? Só existe um detalhe: eu visitei, na verdade, apenas o Oxford University Museum of Natural History (que eu menciono na seção de extras). Ele fica logo na entrada do edifício, servindo também de acesso ao Pitt Rivers Museum.

Este museu é maravilhoso e merece a visita, mas não deixe de procurar a conexão entre os dois museus e visite também o Pitt Rivers Museum, muito interessante e repleto de artigos exóticos. Para mim, não foi dessa vez! 😀

Oxford University Museum of Natural History.
Oxford University Museum of Natural History.

Para fechar as atrações relacionadas com Harry Potter, visitei mais dois pontos: New College e The Turf Tavern.

A faculdade é menos famosa do que Christ Church, mas seus claustros foram utilizados em cenas do filme de HP. Apesar dos seus claustros famosos, porém, o ponto mais interessante foi seu Hall. A área de refeição deles é “a mais antiga de Cambridge e Oxford”, segundo o panfleto que eles distribuem. A entrada custa 5 libras e pode ser adquirida na hora, mas é bom consultar o site oficial antes de visitar a faculdade.

Claustros da New College, em Oxford
Claustros da New College, em Oxford

A “taverna”, por sua vez, apesar de não aparecer nos filmes da saga escrita por J.K. Rowling, é conhecida por ser um dos locais preferidos do elenco durante o período das filmagens.

Outros lugares interessantes

Durante meu período em Oxford, que durou cerca de nove horas, consegui visitar os locais prioritários que já mencionei, mas também alguns outros pontos menos disputados, que acho que valem a pena ser mencionados.

O Covered Market, por exemplo, é um grupo de estabelecimentos de artesanato, alimentação e outros artigos. Ele data dos anos 1770, tendo sempre sido um estabelecimento voltado para receber locais e turistas. Muitos dos estabelecimentos dali são geridos por famílias e são passados de geração em geração. Apesar de funcionar todos os dias da semana, aos domingos nem tudo fica aberto. O site oficial tem os horários de abertura e outros detalhes importantes.

Se você quiser observar a cidade de cima, vendo os telhados pontiagudos tão famosos na cidade, duas opções interessantes podem ser consideradas. A primeira, que eu testei, é Carfax Tower. A entrada custa 3 libras e a subida é bem apertada e com muitos degraus. A Saxon Tower é uma das edificações mais antigas da cidade, remontando ao período saxão. Fica na igreja St Michael at the North Gate. Apesar do templo ter visita gratuita, a torre só pode ser conferida mediante pagamento. Acabei entrando apenas na igreja.

Além destes locais, que de alguma forma visitei, há outras atrações que podem lhe interessar, dependendo do tipo de passeio que você costuma planejar:

  • University Church of St Mary the Virgin: vizinha de Radcliffe Camera e de outros locais muito importantes para a cidade, a igreja está no centro da região onde a universidade começou e cresceu.
  • The Eagle and Child: aberto desde 1650, este pub era o favorito de J. R. R. Tolkien (famoso escritor, professor universitário e filólogo, conhecido também por ser a mente por trás dos livros de O Senhor dos Anéis) e CS Lewis (escritor, professor universitário, crítico literário, entre outras funções, famoso por “As Crônicas de Nárnia”).
  • Head of The River: outro pub famoso, apesar de não tão antigo, se localiza às margens do rio Tâmisa.
  • The Queen’s College: fundada em 1341 por Robert de Eglesfield, teve entre seus alunos Tim Berners-Lee (considerado pai da Internet), Henrique V da Inglaterra (antigo rei britânico), Rowan Atkinson (conhecido no papel de Mr. Bean), entre outros.
  • Ashmolean Museum: considerado o mais antigo museu da Inglaterra.
  • Oxford University Museum of Natural History: fica junto do Pitt Rivers Museum. Durante minha visita, sinceramente, não percebi em que parte do prédio ele ficava.
  • Oxford Castle: castelo que ajuda a contar toda a história da cidade. Por ali também já existiu uma prisão.
  • Jardim Botânico de Oxford: o mais antigo do Reino Unido, foi fundado em 1621.
  • Sheldonian Theatre: é aqui que acontecem, entre outras coisas, as cerimônias de atribuição de grau/título da universidade.
  • Magdalen College: fundada em 1458, é tida como uma das três grandes faculdades entre todas da Universidade de Oxford.
  • University of Oxford: apesar do nome, representa a sede da instituição, com órgãos centrais, etc.

Mapa das atrações

As atrações e pontos de interesse foram divididas em duas camadas. A primeira, “Essenciais” (itens em vermelho), cobre o que considero quase obrigatório durante uma visita à cidade. Em “Extras” (roxo), vários outros pontos importantes, para caso você tenha tempo disponível.

Trajeto entre Londres e Oxford

O percurso entre Londres e Oxford pode ser feito de ônibus ou trem.

De trem, em um trajeto direto de quase uma hora, o serviço é prestado pela Great Western Railway. A estação de partida é London Paddington. O valor varia, mas começa em 20 libras (ida e volta, em bilhete comprado com antecedência de 12 semanas e para horários específicos).

De ônibus, um dos operadores é a National Express, que oferece bilhetes geralmente por volta 10 livras ( também ida e volta). O percurso é de quase duas horas neste caso.

Para decidir entre trem e a National Express, uma boa ideia é utilizar o site Trainline, que mostra os valores de ambas as opções para os dias e horários selecionados.

Há outros operadores de viagens de ônibus, como a Oxford Tube e a Megabus, mas nunca utilizei os serviços deles, então não posso avaliá-los aqui.

Dicas importantes

Quando for planejar sua viagem à Oxford, é muito importante checar com antecedência o horário de abertura de cada local e se não há fechamento programado para aquele dia.

Minha ida, por exemplo, foi postergada uma vez por conta disso. A Divinity School estaria fechada no dia do meu primeiro planejamento e era um dos lugares que eu fazia questão de visitar.

Baseado nestes horários, programe com antecedência a ordem de visita a cada local. A Christ Church College, só para citar um caso, tem abertura em intervalos específicos e só vende bilhetes para o horário da compra (exceto lotes limitados vendidos através do site). Como a fila costuma demorar, é bom já chegar um pouco antes.

E é isso… Espero que tenham gostado do roteiro. Se sentiu falta de algo, me avise nos comentários.

Arrivederci! 🙂

Marcado como: