Coronavírus: é hora de comprar dos produtores locais

Photo by Gary Butterfield on Unsplash. Source: https://unsplash.com/photos/E7Jt6s6EuOs

Seguindo um raciocínio até certo ponto próximo da reflexão sobre profissões essenciais, hoje eu gostaria de conversar contigo sobre algo que está bem claro já no título do texto: é hora de comprar de fornecedores locais.

Não quero trazer regra para ninguém, até porque eu também recorro a grandes marcas aqui em Londres, especialmente quando se trata de compras no supermercado.

A questão é que a situação anda delicada para todos os negócios, mas especialmente para os pequenos comerciantes. Pense comigo: na maioria das vezes, este(a) empresário(a) local gere um negócio familiar ou que emprega um grupo de funcionários da região.

Do mesmo modo, seu lucro será aplicado, muito provavelmente, no próprio estabelecimento, empregando mais pessoas e fazendo a economia girar.

Marcas gigantes, muitas das vezes internacionais, são excelentes e é sempre bom ter à mão um mundo de coisas em um mesmo lugar e/ou a um preço extremamente reduzido, mas isto pode significar dar boa parte do seu dinheiro para a economia de outro país, deixando de causar impacto positivo onde você vive.

Outra coisa que reforça este pensamento é a personalização. Em negócios locais, você geralmente recebe um atendimento mais individualizado à medida que se torna um cliente frequente. Me lembro das inúmeras vezes em que me dirigia a um mercado de bairro na minha cidade natal, Muriaé-MG, e o açougueiro, já habituado com as compras que nossa família fazia por lá, passava as dicas: “hoje a carne X não está como você gosta, mas tenho o corte Y, que está barato e não tem tanta gordura”.

Até agora, me referi aos supermercados, mas isto vale para quase todas as atividades!

A quarentena é uma fase necessária, mas que deixa a economia brasileira ainda mais fragilizada. Quando as coisas começarem a voltar ao normal, antes de comprar uma nova peça de roupa, pedir alguma comida por aplicativo ou mesmo comprar o pão do café da manhã, vamos nos questionar: há algum estabelecimento local que poderia me atender? Qual a minha responsabilidade no produto ou serviço que estou contratando?

Sabe-se que em alguns casos não são nestes pequenos comércios que se pratica o menor preço do mercado, mas se o valor não for abusivo ou muito mais caro, pode valer a pena privilegiar a comida, o artesanato ou outros produtos e serviços que provavelmente envolveram toda uma cadeia local de fornecedores até chegar a você.

Grandes empresas, especialmente as multinacionais, possuem uma capacidade muito maior de se adaptar às dificuldades econômicas que um momento como esse pode trazer. O pequeno comerciante, porém, nem sempre tem capital de giro que aguente tanta turbulência sem suporte governamental e apoio da população.

Outra questão em relação à compra de bens de consumo de grandes marcas é que nem sempre se conhece a origem daquele produto.

Além do dinheiro não ser muitas das vezes aplicado na própria comunidade, você pode estar adquirindo algo que passou por exploração de trabalho infantil (como no caso da produção de chocolate de algumas grandes marcas), de trabalho sem condições dignas e mal remunerado (como no caso de vestuário produzido em países de mão de obra “barata”) ou mesmo por esquemas de produção que causam danos ao meio ambiente.

Por último, gostaria de ressaltar outra questão que todos nós provavelmente analisaremos em breve, assim que já se tiver uma ideia de quando os transtornos da pandemia da Covid-19 irão embora: onde passar as próximas férias?

Se você não precisa ou não faz questão de visitar apenas aquele local super balado em outro estado ou fora do país, tente incluir destinos regionais, no seu estado ou mesmo nacionais em pelo menos parte do seu período de descanso.

O setor de turismo mundial está sofrendo, mas escolher o próprio país pode significar ajudar no sustento de uma série de comunidades tradicionais, no fomento à produção artística do país e em uma série de profissionais autônomos que dependem deste dinheiro para colocar comida na mesa.

Tá tudo bem realizar aquela viagem dos sonhos se você tiver condições, mas incluir um passeio a algum local mais próximo nos seus planos causará um impacto muito positivo.

E é isso! Espero que eu tenha conseguido te passar um pouco das reflexões que tenho feito recentemente.

Nas minhas próximas férias no Brasil, que agora já tive que adiar por tempo indeterminado, com certeza passarei um tempo visitando locais que ainda não conheço. Bora?

E você, tem alguma contribuição para esta conversa? Conte pra mim nos comentários! 🙂

Marcado como: