Expressões curiosas no Reino Unido que você precisa conhecer

Photo by Volodymyr Hryshchenko on Unsplash.

Quando se muda para um lugar diferente, uma das coisas mais legais é aprender as novas gírias, expressões e outras características típicas daquele lugar.

Se este novo lugar é um outro país, a coisa expande para um outro patamar.

Hoje, gostaria de apresentar a você algumas expressões comuns no Reino Unido, que traduzidas diretamente não fazem muito sentido.

Para quem quer a definição padrão deste tipo de coisa, aqui vai: idiomatic expressions (expressões idiomáticas).

Don’t throw the baby out with the bathwater

“Não jogue o bebê fora junto com a água do banho”.

Captura de parte da obra Narrenbeschwörung, de Thomas Murner, 1512. Esta obra e sua reprodução são de domínio público na Alemanha e em outros países. Fonte: Wikimedia Commons.
Captura de parte da obra Narrenbeschwörung, de Thomas Murner, 1512. Esta obra e sua reprodução são de domínio público na Alemanha e em outros países. Fonte: Wikimedia Commons.

Traduzida ao pé da letra, a expressão pede que você, ao dar banho em um bebê em uma banheira ou bacia, não “descarte” ele junto com a água usada. Pode parecer algo bem estranho, mas o significado é interessante.

Sempre que temos algo majoritariamente ruim na nossa vida, devemos ter cuidado para não acabar descartando a parte positiva de algo (na sentença, o bebê) enquanto eliminamos o que é ruim (a água usada).

Há uma expressão equivalente, bem menos assustadora: “throw out the champagne with the cork” (jogar fora o champanhe junto com a rolha).

A primeira aparição registrada da expressão idiomática do bebê ocorreu em 1512, na sua forma original em alemão. A obra em que esta frase apareceu era de Thomas Murner, um poeta, tradutor e satirista.

We’ll cross that bridge when we come to it

Nós vamos atravessar aquela ponte quando chegarmos nela“.

Parece uma frase meio “boba” e óbvia e o significado real também não é complexo: se preocupe com um potencial problema apenas quando ele realmente ocorrer.

Em outras palavras, não deixe sua ansiedade ou preocupação explodirem com algo que pode até mesmo não ocorrer. Se acontecer, sim, você lida com o problema.

A primeira aparição desta expressão ocorreu em 1851, em uma obra chamada The Golden Legend, de Henry Wadsworth Longfellow. Se quiser entender melhor, recomendo o texto de Writing Explained.

By the skin of your teeth

Pela pele dos seus dentes“.

Quando você está em uma situação de risco ou muito problemática e “escapa por um triz”, pode dizer esta expressão. Se estiver no Reino Unido, é claro!

A expressão tem origem na Bíblia. Se você consultar uma versão em português, como a Almeida Corrigida Fiel (no site Bíblia Online), a expressão não fica tão clara, mas a tradução em inglês do rei James I traz a versão que possivelmente gerou este dito popular.

It takes two to tango

São necessários dois para um tango“.

Expressão comumente utilizada no sentido negativo, quando uma situação problemática entre duas pessoas só ocorre porque ambas estavam propensas àquilo.

Em outras palavras, quando alguém recebe a culpa por algo que aconteceu, mas acha que não foi o único culpado, “it takes two to tango” vem ao seu socorro e divide a culpa com mais alguém.

No Brasil, o equivalente mais provável seria “onde um não quer, dois não brigam”.

A provável origem desta expressão, como citado pelo site The Idioms, é a canção de 1952 Takes Two To Tango, de Al Hoffman and Dick Manning.

[…] “But it takes two to tango, two to tango
Two to really get the feeling of romance
Let’s do the tango, do the tango
Do the dance of love
” […]

Elvis has left the building

Elvis já deixou o edifício“.

Esta talvez seja a que menos se parece com uma expressão idiomática quando se ouve pela primeira vez, certo?

Elvis já deixou o prédio, okay, mas ninguém perguntou. Vida que segue! 😂

Esta expressão era muito usada em sua forma literal após o encerramento dos shows de Elvis Presley para avisar aos fãs BASTANTE agitados do ídolo que a apresentação já havia encerrado, ou seja, não teria mais um minutinho extra sequer, então eles poderiam ir embora.

No cotidiano, pode ser utilizada quando algum evento terminou ou ainda quando alguém sai de um lugar ou uma discussão, especialmente se isto foi feito de forma dramática ou inusitada.

Bob’s your uncle

“Bob é seu tio”.

Parece uma frase daqueles programas de gosto bem peculiar da TV brasileira, em que se revelava a paternidade (ou não) de uma criança através de exame de DNA, né?

Felizmente, só parece. Neste caso, a expressão quer dizer apenas “tudo certo”, quando se conclui algo e não há mais coisas a serem feitas.

A origem é questionável, mas se diz que o dito acima teria começado em 1887, quando o então primeiro-ministro do Reino Unido, Robert Gascoyne-Cecil (Bob), decidiu que seria uma ideia interessante nomear Arthur Balfour, seu sobrinho, como Secretário-chefe da Irlanda.

A medida bastante impopular (e para muitos, uma surpresa) acabou fazendo com que qualquer qualidade possível de Arthur Balfour fosse menos conhecida do que “sobrinho de Bob“.

E é isso! Espero que tenha gostado do texto de hoje. Me conte depois se quer conhecer mais expressões idiomáticas comuns por aqui.

Arrivederci! 🙂

Marcado como: