Fortnum & Mason (Londres): duas salas secretas e outras curiosidades

Sala de Churchill (Sala da Diretoria) - Fortnum and Mason - Londres.

Lojas de luxo e “alto padrão” não são a primeira opção de passeio para quem visita uma cidade nova. Por mais que sejam interessantes e ofereçam tudo de melhor que o dinheiro pode comprar, nem sempre são um espaço em que o turista médio se sente confortável.

Em Londres, por mais que isto seja verdade para muitas de suas lojas mais exclusivas, há algumas lojas que oferecem muita coisa além de artigos de luxo.

Pensando nisso, hoje quero te apresentar a Fortnum & Mason, estabelecimento de alto padrão nas proximidades de Piccadilly Circus, uma das regiões mais famosas da cidade.

Ao chegar na loja, a primeira coisa que perceberá é que ela é gigante, abrangendo vários andares, cada um com sua temática particular.

No subsolo, há a área do mercado, com os vegetais e demais artigos básicos, mas também repleta de alimentos com algum fator diferenciado, seja no preparo, armazenamento, exclusividade ou nível de exigência.

Por aqui, você encontra vinhos dos mais diversos tipos, todos de uma faixa de preço (e, como consequência, qualidade) muito acima do que você encontraria nas redes de supermercados mais comuns.

No térreo, você encontra o setor de chá, chocolates, biscoitos, mel e outros artigos similares. É encantador acompanhar as múltiplas prateleiras, com inúmeras variações de cada alimento.

Outro diferencial fica nas embalagens, uma mais trabalhada que a outra.

Hampers

Inaugurada em 1707, a loja se tornou desde então um sinônimo de luxo, sofisticação e qualidade sem igual em seus produtos.

Entre os seus elementos mais icônicos, porém, estão os hampers, caixas que lembram cestas de piquenique, repletas de alimentos e acessórios de cozinha para um dia no campo. Atualmente, elas podem conter outros tipos de alimento ou mesmo artigos para presente.

No passado, era comum que famílias endinheiradas, cansadas do caos da capital britânica, fossem passar um dia no campo. Junto delas, uma equipe contratada e um ou mais hampers, com comida, champanhe, louçaria, talheres e tudo mais que completasse a experiência fora da metrópole.

Fortnum & Mason - um de seus icônicos hampers. Fonte: Instagram/@fortnums.
Fortnum & Mason – um de seus icônicos hampers. Fonte: Instagram/@fortnums.

Curiosidades

William Fortnum, um dos futuros fundadores, foi footman (espécie de auxiliar de carruagens e mensageiro real) da rainha Anne.

Com a exigência da família real de que se tivesse velas novas todos os dias pela residência. Vendo um potencial de negócio, Fortnum revendia a cera das partes não usadas das velas a um bom lucro.

À época, ele tinha um negócio paralelo de mercearia. O locador do espaço, Hugh Mason, foi convidado por Fortnum a ser seu sócio, abrindo a primeira Fortnum & Mason em 1707, em uma região próxima de onde a loja funciona atualmente.

No passado, a família que dá nome a esta gigantesca loja era quem controlava todo o negócio, morando no próprio prédio do estabelecimento. Eles moravam no penúltimo andar, reservando o último piso para os empregados, podendo, assim, controlar o acesso à loja e evitar que ocorressem furtos e outros problemas.

No passado, apenas homens trabalhavam na instituição e o estabelecimento funcionava 24 horas por dia.

Se uma dona de casa passasse pelo infortúnio de ficar sem vinho, por exemplo, bastaria bater à porta que alguém estaria disponível para atendê-la.

Em conversa com um dos funcionários especializados na recepção de visitantes, ele me explicou que o tempo de lockdown durante a pandemia foi provavelmente o único em que o estabelecimento teve que fechar as portas até hoje, em 313 anos de história.

Por ali, há frequentemente a visita de figuras conhecidas, incluindo membros da família real britânica e mandatários de vários outros países, e também celebridades e outras personalidades.

Os funcionários de paletó vermelho, especialistas em recepcionar visitantes, devem estar sempre prontos para receber este tipo de visita, sendo discretos, amigáveis e sempre prontos para engrenar uma conversa sobre os mais diversos tópicos.

Uma das provas da clientela real britânica é o selo de reconhecimento de fornecedores oficiais de artigos de supermercado, chá e alguns outros produtos tanto da rainha Elizabeth II quanto do seu filho, príncipe Charles, que a loja ostenta em seu estabelecimento.

Por também atenderem um público de alto poder aquisitivo, a loja mantinha no passado um livro com as compras efetuadas, para que estes clientes não tivessem que manusear dinheiro diretamente no interior da loja. Desta forma, o pagamento poderia ser feito mais tarde, fora dali, provavelmente na área administrativa. É um fiado chique, sabe?

Como se pode ver em um destes livros hoje exibido na loja, há algumas entradas com o nome de Fortnum & Mason no lugar do nome do cliente. Segundo o funcionário, era uma forma de proteger clientes como a família real, que não deveriam ter suas compras reveladas.

Caso alguém descobrisse o que consumiam, poderia ocorrer alguma tentativa de envenenamento da realeza, incluindo até mesmo tentativas de criminosos de contaminar as plantações que forneciam produtos para a loja.

Artigos antigos/históricos

Há inúmeros artigos icônicos, desde uma enorme máquina de madeira que toca músicas a partir de discos de metal até um piano que foi inteiramente construído dentro do próprio prédio, já que não seria possível transportá-lo inteiro até o andar onde está hoje colocado.

Principalmente na região das escadarias, mas também em outras áreas, você poderá encontrar uma série de pinturas e outras peças antigas de extrema importância, já que a família fundadora possuía extremo apreço por colecionar este tipo de item.

Entre os itens que mais me chamaram a atenção, havia um acervo interessante de relógios antigos (disponíveis para venda) e um vestido preto icônico da Chanel, cujo modelo foi mencionado por Coco Chanel, criadora da marca, em uma de suas frases mais famosas: “Uma mulher precisa de apenas duas coisas na vida: um vestido preto e um homem que a ame“.

Duas salas secretas

Dois segredos que podem passar despercebidos pela maioria dos visitantes só estão acessíveis àqueles que já sabem de sua existência: duas salas especiais e pouquíssimo conhecidas.

Sala de Churchill (Board Room/ Churchill’s Room)

Sala antigamente utilizada para reuniões (foto de destaque deste texto), foi utilizada por diferentes personalidades no passado.

Entre os eventos que já ocorreram por ali, diz-se que Winston Churchill (ex-primeiro-ministro do Reino Unido) comemorou ali seu aniversário de 70 anos.

Até pouco tempo atrás, antes da troca do carpete desta sala, segundo o funcionário que me guiou pela loja, ainda era possível ver o furo de cinza de fumo no carpete antigo em uma das pontas da mesa, bem ao lado da cadeira onde Churchill havia se sentado.

Ainda nesta sala, é possível ver uma série de objetos antigos e/ou históricos, incluindo um grupo de ilustrações chinesas de trabalhadores colhendo e processando chá, um cotidiano ainda pouco conhecido dos ingleses à época da aquisição das gravuras.

Ilustrações de produtores de chá preparando o produto - Board Room - Fortnum & Mason - Londres.
Ilustrações de produtores de chá preparando o produto – Board Room – Fortnum & Mason – Londres.

Adega (Wine cellar)

Adega/Cave - Fortnum & Mason - Londres.
Adega/Cave – Fortnum & Mason – Londres.

No primeiro subsolo, logo ao lado do setor de vinhos, há uma pequena sala, em estilo que remonta alguns séculos atrás.

Em um armário em um dos lados da sala, uma série de garrafas bastante antigas e raras de vinho, já vazias. Muitas delas valem mais do que qualquer garrafa de vinho disponível na loja.

Garrafas antigas/raras de vinho - Adega - Fortnum & Mason - Londres.
Garrafas antigas/raras de vinho – Adega – Fortnum & Mason – Londres.

Neste espaço, segundo se fala, funcionava antes o serviço de venda de vinhos que eu citei anteriormente. É ali, portanto, que as donas de casa do passado poderiam encontrar o vinho necessário para repor o estoque de sua casa.

Segundo o funcionário da loja, porém, esta sala é mais possivelmente a reprodução da adega em questão, que provavelmente já não mais existe no prédio.

Como visitar

Para conhecer a loja, basta que você chegue durante o horário de funcionamento e caminhe pelos múltiplos andares e departamentos.

Se quiser conhecer as duas salas secretas ou fazer um tour, porém, deverá solicitar a ajuda de um dos funcionários de paletó vermelho, que estão por ali especialmente para isso.

Para conseguir o atendimento de um, a forma mais fácil é consultar alguém do serviço de atendimento ao cliente, que no dia da minha visita estava em um balcão no primeiro subsolo.

Tenha em mente que estas salas estão disponíveis para locação para realização de eventos. Sendo assim, não é sempre que você conseguirá ter acesso.

E é isso! Espero que tenha gostado do texto de hoje.

Até logo!

Marcado como: