Photo by Caleb Jones on Unsplash
Photo by Caleb Jones on Unsplash

Olá!

Dando sequência às postagens sobre cidadania italiana, hoje eu gostaria de falar sobre as opções que um descendente de italiano tem para reconhecer sua cidadania. Se você perdeu a primeira postagem, basta acessar aqui primeiro.

O primeiro passo é verificar se você poderá fazer o reconhecimento por via administrativa. Caso haja uma ou mais mulheres na linha sucessória e o filho ou filha da primeira mulher tenha nascido antes de 1948, o processo administrativo não é possível.

Cidadania Italiana. Photo by Francesca Tirico on Unsplash
Cidadania Italiana. Photo by Francesca Tirico on Unsplash.

Olá!

Hoje eu vou falar sobre um assunto que tem despertado o interesse de muita gente: cidadania italiana. Mais especificamente, a cidadania italiana para aqueles que são descendentes de italianos que emigraram do bel paese.

Seja pela oportunidade de reconectar-se com suas raízes, pela possibilidade de morar em qualquer país-membro da União Europeia ou algum outro motivo, o número de brasileiros que pesquisam suas origens e vão atrás do seu reconhecimento como cidadãos italianos só aumenta a cada ano.

Photo by Mantas Hesthaven on Unsplash
Photo by Mantas Hesthaven on Unsplash

Olá!

Os posts com “itinerários” da viagem à Itália já terminaram. Perdeu algo? Só clicar em cada “diário”: Noale/Scorzè/Trebaseelghe, Verona, Pádua, Milão, Florença e Veneza.

Hoje, porém, eu quero falar um pouco sobre o que tudo isso gerou dentro de mim. Parece exagero? Nem tanto. Uma viagem internacional oferece uma gama de experiências e perspectivas muito interessantes. Abordarei algumas delas a seguir.

Veneza - vista pela Ponte dell'Accademia
Veneza – vista pela Ponte dell’Accademia.

Olá!
Hoje chegamos à última parada da nossa viagem à Itália: Veneza.

O bilhete de Firenze SMN até Venezia Mestre custou € 49,00, pela Italo Treno (primeira classe). A viagem foi tranquila e confortável. No meio do caminho, um dos funcionários percebeu que falávamos em português e, com toda cordialidade, perguntou se éramos brasileiros e de onde éramos. Apesar de algum sotaque, ele falava perfeitamente em português.

Chegando à estação Venezia Mestre, seguimos rumo ao hotel. Ficamos no Hotel Villa Adele. Muito bom! O único problema que tivemos foi com o Wi-Fi, que não funcionou. Procurando informações para citá-lo aqui no blog, porém, vi que eles aparentemente encerraram suas atividades. No site, eles indicam agora o Hotel AutoEspresso. Pelo que fiquei sabendo, o pessoal que gerenciava o Villa Adele se mudou para o AutoEspresso, que fica ainda mais perto da estação de trem.

 Firenze vista a partir do Palazzo Pitti.
Firenze vista a partir do Palazzo Pitti.

Olá!

Hoje contarei um pouco sobre a minha penúltima parada na Itália. O comune de Firenze, ou Florença, foi nossa casa por três dias.

Saímos de Milão por volta das 12:35, em um trem da Italo. Até então, nossa proposta era viajar na categoria Smart, em que nossos bilhetes custariam € 87,80 no total. Ao chegar à estação, porém, descobrimos que esta categoria possui limite de tamanho de bagagem. Para evitar surpresas, convertemos o bilhete para a categoria de Prima Classe, pagando mais € 32,00. A viagem de Milano Centrale a Firenze SMN terminou por volta das 14:25, em um percurso em alta velocidade. Os trens da Italo são muito confortáveis e a primeira classe é excelente. Os funcionários oferecem snacks uma vez durante a viagem.

Olá!

Nosso post de hoje começa na estação de trem de Pádua, rumo à cidade de Milão. Nossos bilhetes de trem custaram € 17,50 (cada). Partindo às 16:40 em uma linha em estilo regional (não era de alta velocidade), fizemos uma conexão de uns 40 minutos em Desenzano del Garda. Saindo dali, seguimos em direção ao destino final, chegando na estação Milano Centrale às 21h. Comemos qualquer coisa e fomos descansar, pois o dia seguinte seria bem cheio.

Prato della Valle, em Pádua.
Prato della Valle, em Pádua.

Olá!

Conforme comentei desde o post sobre Noale, Trebaseleghe e Scorzè (aqui), Pádua (ou Padova, em italiano) foi nossa base pelas primeiras três noites de estadia.

Para dormir, procuramos um local mais acessível e que não fosse distante da estação de trem, do terminal de ônibus e das atrações da cidade. Dessa maneira, ficava fácil ir a outras cidades ou mesmo passear por Padova. O que mais se encaixou neste quesito à época foi o Loft Padova Bed & Breakfast. Como o próprio nome já diz, é daquele estilo em que se tem apenas o quarto e o café da manhã. O espaço, apesar da estrutura enxuta, oferece quartos aconchegantes e um café da manhã bem legal. Os responsáveis pelo B&B, apesar de não ficarem por lá o tempo todo, são muito solícitos e dão dicas bacanas sobre a cidade.