Photo by Eva Darron on Unsplash.
Photo by Eva Darron on Unsplash.

No dia 25 de abril de 2018, embarquei em Guarulhos (São Paulo), em voo com destino à Lisboa. Cheguei em terras lusitanas na manhã do dia 26, com muita expectativa e várias dúvidas.

Depois de sete meses por lá, decidi que ali já não fazia tanto sentido, então fiz minhas malas e segui para o Reino Unido, onde estou atualmente.

Na semana que passou, em férias no Brasil, completei um ano desde que me despedi do país onde nasci.

Nesse meio tempo, aprendi muita coisa e gostaria  de compartilhar com vocês…

The tattoist of Auschwitz - Heather Morris. Foto de uma das versões de capa. Todos os direitos reservados à autora, Heather Morris, e a todos os demais envolvidos na confecção do livro.
The tattoist of Auschwitz – Heather Morris. Foto de uma das versões de capa. Todos os direitos reservados à autora, Heather Morris, e a todos os demais envolvidos na confecção do livro.

Olá!

Conforme eu comentei aqui, me propus este ano a ler pelo menos 12 livros em inglês em 2019, reativando meu hábito de leitura.

O primeiro livro foi leve e de leitura rápida, pois se tratava de um trabalho mais voltado para o público infantil. O livro de agora, porém, é bem mais denso.

Seu vocabulário é mais amplo, a história é bem mais pesada e a leitura, um pouco mais difícil.

O tatuador de Auschwitz foi escrito por Heather Morris, escritora neozelandesa que vive na Austrália.

Photo by Mike Stezycki on Unsplash.
Photo by Mike Stezycki on Unsplash.

Olá!

Hoje eu gostaria de fazer uma análise rápida do que eu já percebi vivendo no Reino Unido.

Até agora, morei apenas um mês fora de Londres, em Hatfield, uma cidade pequena que fica próxima da capital. É lá que fica a sede da empresa onde trabalho, então fiquei em AirBnBs por lá até encontrar algo definitivo em Londres.

No comecinho de janeiro, me mudei de mala e cuia para a capital da Inglaterra, em um bairro na zona norte da cidade.

Photo by Andy Falconer on Unsplash.
Photo by Andy Falconer on Unsplash.

Olá,

Seguindo o mesmo espírito do post da semana passada, gostaria hoje de refletir com vocês sobre um tema que eu creio que todo cidadão deveria analisar: privilégios.

Na atual polarização do Brasil, não adianta: é falar em privilégios que o povo torce a cara, se estressa e enumera as inúmeras batalhas cotidianas que foram necessárias para chegar onde está hoje (ou onde pretende chegar).